Bem-vindo, 22 de novembro de 2017
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 


Quinta, 20/07/2006 | Fonte: Terra

Sony e Toshiba travam guerra da nova geração de DVDs

O anonimato proporcionado pela internet ajudou a criar uma guerra entre a Sony e a Toshiba, as duas gigantes japonesas que disputam o multimilionário mercado da nova geração de DVDs. Nas últimas semanas começaram a circular na rede comunicados oficiais, rumores e ataques contra o HD DVD, criado pela Toshiba, e o Blu-Ray, desenvolvido pela Sony. As duas empresas estão fazendo o possível para ficar com o poder do mercado da nova geração de DVDs.

Por enquanto, a Toshiba conseguiu sair à frente da Sony, e foi a primeira a lançar um aparelho para a nova geração de discos digitais. No entanto, e quase que imediatamente após o lançamento, a empresa foi acusada de vender aparelhos US$ 200 mais baratos que o custo de produção, para apostar no mercado e evitar o sucesso do Blu-Ray, criado pela Sony.

A companhia se apressou em desmentir o rumor. No entanto, no mercado americano o reprodutor de HD DVD custa cerca de US$ 499,99, metade do preço da concorrente.

A Toshiba também será a primeira a oferecer um aparelho capaz de gravar em alta definição, o RD-A1, que chegará aos EUA em 27 de julho, com preços avaliados em US$ 3.400.

No entanto, nos últimos dias a vítima de boatos mal-intencionados foi a Sony.

Um suposto funcionário da Microsoft - marca que está ao lado da Toshiba nesta empreitada - acusou a Sony de ter desenvolvido uma tecnologia inferior ao HD DVD e de tentar vendê-la pelo dobro do preço.

A Sony, por sua vez, se limitou a negar a informação, mostrando confiar na carta que guarda na manga, o PlayStation 3, que incorporará a tecnologia Blu-Ray.

A Toshiba conseguiu fazer com que a Microsoft adotasse o HD DVD para o vídeo game Xbox 360, o primeiro do mercado que pertence à ''terceira geração''.

Um dos motivos que podem explicar a guerra em torno do novo padrão são as estimativas para este mercado, que asseguram que o comércio com discos específicos como esses poderia gerar um consumo anual de US$ 10 bilhões nos EUA em 2010.

A venda de DVDs se transformou em um negócio muito mais lucrativo que os ingressos para o cinema. Enquanto os estúdios ganham US$ 0,80 por dólar na venda de cada disco, nas bilheterias dos cinemas ficam com apenas US$ 0,50 por cada dólar.

A previsão é a de que antes do término do ano atual, mais de 28 milhões de americanos possuirão televisores de alta definição e as principais distribuidoras já manifestaram suas preferências em relação ao futuro do mercado de entretenimento doméstico.

A Sony parece estar à frente nesta guerra, e em seu site afirma contar com o apoio da maioria dos oito maiores (os principais estúdios de Hollywood): Sony Pictures, Walt Disney, Metro-Goldwyn-Mayer, Twentieth Century Fox e Lions Gate.

Para o presidente da Sony, Howard Stringer, a escolha dos estúdios é acertada, porque a grande capacidade de armazenamento do Blu Ray é "muito apreciada pelos profissionais do cinema".

No entanto, a Universal e a New Line Cinema apóiam a Toshiba, enquanto a Paramount e a Warner Bros se mostraram a favor de distribuir seus títulos nos dois formatos.

Até uma semana atrás poucos apostavam na convivência dos dois formatos, mas na quinta-feira passada a companhia japonesa Ricoh anunciou que desenvolveu um componente óptico capaz de decodificar o HD DVD e o Blue-Ray.

O porta-voz da empresa, Satoshi Aoki, afirmou em comunicado que "a Ricoh foi a primeira companhia do mundo a desenvolver a tecnologia híbrida". No entanto, ressaltou que, a princípio, será capaz apenas de ler os dois formatos, mas não de gravá-los.

A maioria dos analistas reagiu ao anúncio com ceticismo, devido ao alto custo de produção da nova tecnologia e ao fato de que as empresas teriam de pagar pelos direitos duas vezes, uma para cada formato.

  Ver Listagem completa

produzido: medialine e Luciano Barichello
Av. Pátria, 760 - 3º Andar - Bairro São Geraldo - Porto Alegre (RS) - Fone/Fax: (51) 3028 6600    |    Desenvolvido por MEDIALINE